O HOMEM QUE ESCREVE BLOG


Desde que comecei a escrever em blogs, primeiro o meu e depois do movimento, me sentir altamente recompensado por dá minha opinião, expor meu pensamento e críticas em todos os assuntos que chegam por diversos canais de comunicação. Ser um observador dessa grande roda gigante de notícias que não deixa nossa cabeça quieta. Registramos tudo!
É uma sensação maravilhosa saber que seus escritos estarão disponíveis para toda rede e que qualquer cidadão cibernético, interligado por uma máquina em casa ou numa lan house, encontrará você sempre a disposição através do seu blog.
Quem escreve em blog deverá ter conhecimento de antemão que assim como os escritores convencionais, também padece da mesma preocupação: Será que estou sendo lido? Essa é a pergunta que martela e machuca uma legião de escritores com suas publicações virtuais. Será esse ofício, uma prática que além de proporcionar um imenso prazer, causa por paradoxo um sofrimento do anonimato? Onde está os leitores que fazem a literatura continuar viva ao passar dos séculos? A impressão é que escrevemos e apesar de está sempre perpetuado em algum formato de texto, caí no ostracismo com a falta de quem leia e valorize quem escreve, mesmo na condição de escritor amador.
Somos que espécie de leitor? Que mesmo no lugar que gosta de passar seu tempo, ainda causa a impressão em nós, “escritor-blogueiro”, a sensação que escrevemos pra ninguém. É uma tristeza profunda quando olho as postagens recentes e não encontro sequer um comentário para massagear meu humilde ego e dizer ao amigo, outro blogueiro, todo contente que hoje alguém leu meu texto. Uma coisa rara aconteceu...
Todo blog que acompanho, tem um lugar para postar um comentário, e, por incrível que pareça você pode comentar como anônimo. Ou seja, sem a preocupação de assinar pelo gmail (plataforma do blogspot, onde meu blog é hospedado) ou coisa parecida.
Sabe leitor, acho interessante interagir com quem escreve, seja aonde for para deixar sua opinião, pois dessa forma saberemos o que pensa o que acha, além de entender do por que da sua reação sobre o assunto abordado. Quando isso acontece fecha um circuito entre o escritor e seus leitores: Quem escreve quer ser lido e quem lê comenta expressando seu ponto de vista. Interage!
Desde que o mundo se entende por gente não existe texto que não desenvolva sua função, que é de instigar e cutucar as pessoas na sua leitura.
Mesmo com a impressão que escrevo num diserto, continuo no ofício de postar meus textos no blog. Já estou acostumado a essa sensação de esquecimento e das pessoas que navegam e, muitas vezes, passam até batida pela informação. Resta lamentar que com tal atitude o internauta não perceba a beleza que é conhecer um pouco mais de alguém que é atento ao que se passa e registra nas postagens todo movimento que a internet se encarregará de transformar em notícias.
Então não esqueçam: Deixem qualquer coisa escrita e cumpram seu papel de leitor que sabe dialogar com quem escreve, nas mais diversas maneiras de comunicação possíveis nesse mundo virtual.



1 comentários:

Rutha/Pink/Barum/Luna disse...

Concordo totalmente com tudo que você escreveu, mas o que percebo nesses 6 meses de blog é que as pessoas costumam retribuir comentários; quer dizer, primeiro você tem que seguir todos os blogs e deixar comentários, depois as pessoas vêm até o seu blog e deixam um comentário em agradecimento. Mas vejo que esse é um problema geral, as pessoas nem sempre têm tempo de comentar...
Quando comecei o blog jamais imaginei a torrente de emoções e amizades que faria, todos os dias ligo o computador desesperada pra ver se tem comentários e sempre fico muito feliz ao lê-los.
A única sugestão que posso dar é essa de seguir muitos blogs e deixar comentários de vez em quando que as pessoas retribuirão.
Seu blog é delicioso de ler e tem assuntos muito variados e interessantes, além de colunistas inteligentes, também gosto muito da organização.
Tenha paciência que os comentários virão !
Beijos
Laís

Postar um comentário